Acesse seu currículo

Transição com segurança pode te levar ao topo dos seus sonhos.

Os 5 maiores erros de quem investe em franquias - Por Lygia Haydée

Imagine a seguinte cena: você saiu do emprego, vendeu o carro ou ganhou uma graninha extra e não tem destino certo para ela. Com isso, começa a pesquisar sobre o mercado de franquias, percebe que ele é bastante promissor e resolve investir.

Esse, certamente, pode ser um bom destino para a sua reserva financeira. Mas é preciso tomar alguns cuidados para que você não caia nos maiores erros de quem aposta neste segmento.

As dicas são:

Ter consciência de que a franquia será um investimento em longo prazo

Logo, não irão resolver de imediato os seus problemas financeiros.

“É preciso prestar atenção porque investir em franquia não deve ser algo feito por necessidade ou por querer comprar um emprego”, comenta Daúd Saffi Mello, da consultoria Saffi.

Sabendo disso, veja outros erros comuns aos aspirantes a franqueados e fuja de todos eles!

Não ter perfil de franqueado

Antes de investir é preciso saber se você tem perfil para isso e se aguenta viver no ritmo de um franqueado. Pergunte-se: Eu aguento colocar a barriga no balcão? Eu aguento seguir regras?

“Mesmo que você ache suas ideias as melhores do mundo, lembre-se que neste formato é preciso seguir o que mandam”, avalia Ana Vecchi, sócia-diretora da Vecchi Ancona – Inteligência Estratégica.

Fique, ainda, atento a três pontos essenciais para não cair em armadilhas: planejar, executar e saber confrontar um com o outro. É com isso que você vê o que está errado para refazer o caminho.

“Você precisa saber se consegue atuar nessas três frentes ou se vai precisar contratar alguém para fazer”, conta Márcio Iavelberg, fundador da Blue Numbers Consultoria.

Não se dedicar ao planejamento

Neste mesmo caminho, temos ainda outro grande erro: a falta de planejamento, que é importante para levantar quem são os concorrentes, quem são os futuros parceiros e franqueados que fazem parte da rede.

Um bom caminho para saber como traçar este planejamento é ligar para alguns franqueados para saber como eles estão indo, se estão se saindo tão bem quanto o franqueador afirma, além de checar a parte financeira.

“Antes de abrir o negócio, é preciso saber quanto você precisa colocar de dinheiro na franquia e, além do dinheiro que você tem que colocar, precisa pensar no capital de giro e nas retiradas, por exemplo,” lembra Iavelberg.

Esquecer do capital de giro

Falando em capital de giro, na hora em que você vê qual é o capital que tem para investir é preciso pensar, também, nesse montante. “Isso porque, de forma geral, você não vai tirar nenhum centavo da conta por pelo menos seis meses”, ressalta Ana.

Assim, além do investimento na franquia e do capital de giro, você tem que pensar de quanto necessita por mês par viver de maneira tranquila sem fazer uso da retirada da franquia.

Não pensar nas suas contas pessoais

Aqui, entra outro erro que envolve dinheiro: esperar que o negócio dê um super lucro desde o primeiro mês.

“Você tem que pagar todas as contas do negócio e precisa manter funcionários, aluguel, etc. E suas contas pessoais também”, comenta Bianca Oglouyan, fundadora de Tear Estratégia em Franchising.

Por isso, ao determinar qual é a sua linha de investimento, pense, também, em quanto tempo você pode ficar sem aquele dinheiro.

Achar que franquia é a solução para os problemas

Não pense que você está solucionando problemas ao investir em uma franquia.

Tem diversos casos de pessoas que pensam: ‘Chega de ter patrão, de ter que dar satisfação para os outros. Eu quero ter qualidade de vida’. Mas o que é qualidade de vida? Pense que ao ter uma loja você fará com que ela funcione de domingo a domingo. E você, como franqueado, terá que ficar à frente dessa operação.

 

“As pessoas não têm noção de como é se dedicar a um negócio desses e estão em busca de qualidade de vida. Se tem uma coisa que essa pessoa não terá é qualidade de vida no que diz respeito à tranquilidade e dias de folga”, finaliza Ana.